Andar depressa

Sempre achei que andava a pé depressa. Isto porque, pelos sítios onde tenho andado, não sou ultrapassado com frequência e acontece-me frequentemente sair do passeio para a estrada para fazer ultrapassagens. Por isso estranhei quando cheguei a Copenhaga e passei a ser frequentemente ultrapassado. Inclusivamente por gente que leva bicicletas pela mão ou empurra carrinhos de bebé. Inconsolável, convenci-me que estava de facto muito em baixo de forma e que não se passam impunemente três anos de quotidiano auto-mobilizado. Até anteontem. A crer no estudo aqui divulgado o habitante de Copenhaga desloca-se a uma média de 6 km/h, o que faz dele o segundo mais rápido do planeta em trajectos urbanos. Afinal não sou um pastel a andar, estou é a competir com os melhores e não sabia. Vou levar daqui um treino que ninguém me agarra!