Entusiasmo

Foi à meia-luz dum restaurante italiano no Bairro Alto que contei pela primeira vez aos meus amigos que ia começar o Alfaiate. Um riu-se de mim, outro perguntou-me (franzindo a testa ao máximo) porque raio haveria alguém querer fazer isso, um terceiro chamou-me panasca e os outros dois ou três acharam que ignorar-me era a melhor forma de me fazer perceber a quão estúpida era a minha ideia. Consensos havia apenas dois: ideia parva, nome giro.”

A história da génese do Alfaiate é um exemplo prático da aplicação do principal princípio que ordena as relações de amizade em Portugal:

O entusiasmo com que se recebe uma boa ideia é inversamente proporcional à energia dispendida a demonstrar a sua impossibilidade.