Festão

Houve petardos com fartura, cervejas partilhadas com desconhecidos, andar aos pulos na faixa central da Gran Via, gritar “Madrid, cabrón, saluda al campéon”, fogo-de-artifício, entrar e sair de bares e uma alegria contagiante.

Era impossível estar naquele mar de gente e não ser do Barça.

Na Praça da Catalunha, por volta da meia-noite, era mais ou menos isto que se podia ouvir.