Ler no metro

No metro de Barcelona lê-se muito mais do que noutras redes de metropolitano. A qualquer hora do dia se encontra gente a ler livros, jornais e revistas. Contagiado por este entusiasmo à volta das letras comecei recentemente a aproveitar as deslocações diárias para avançar nas minhas leituras. É certo que não é fácil, nas horas de ponta, encaixar o objecto de leitura num meio de transporte previsto para enlatar humanos. Por exemplo, os bancos que sentam quatro pessoas frente a frente são claramente insuficientes se os quatro estiverem a ler cada um o seu jornal. Também durante as horas de ponta há muita gente que não gosta de ter um livro espetado nas costas ou um jornal aberto à altura da sua cabeça. Mas isto são detalhes. Não só tenho lido bastante como, a pouco e pouco, começo a transformar-me também num leitor.