O modelo nórdico

Ao fim da tarde, no trabalho, compara-se a regulamentação que rege o planeamento urbano em Portugal, na Alemanha e na Polónia e de que forma o crescimento das cidades foi afectado por ela. Discute-se a participação pública nos processos de desenvolvimento urbano, o respeito pelo património edificado, o poder dos promotores imobiliários e das empresas de construção, o papel dos arquitectos. Enquanto falamos o funcionário da empresa de limpezas vai limpando mesas, varrendo chão e esvaziando caixotes de lixo. Reparo que está há um bom bocado a seguir a conversa. Quando se dá o exemplo do crescimento desenfreado em altura que ocorre em Varsóvia, ele não resiste e mete-se na conversa. Quer saber o que achamos de Copenhaga e dos projectos de desenvolvimento urbano que estão em curso e, sobretudo, de que forma nós, que vimos de outros sítios, olhamos para esta cidade. O modelo nórdico no seu melhor.