Proximidade

A minha relação com o castelhano ainda é muito insipiente, mas já lhe noto uma incrível vantagem em relação ao inglês como língua de utilização quotidiana: está muito mais próximo da forma como penso. Falar inglês sempre me fez sentir uma certa dissociação entre o que estou a dizer e o que estou a pensar; pior, às vezes ouço-me a falar inglês e pergunto-me “Quem é este gajo?”. O castelhano sai com mais naturalidade. Os maneirismos, as expressões, os estados de espírito são muito mais semelhantes à minha forma de pensar estruturada pelo português. Não há-de faltar muito para me começar a sentir ibérico.