Sem

Díli é hoje uma cidade sem táxis, sem mulheres e crianças, sem mikrolets, sem galos, e, como me acabaram de fazer ver, sem cadeiras de plástico.